Brasileiro relaxa isolamento social no momento mais grave do coronavírus

O Brasil já superou a China em número de mortes (5.017 contra 4.637) provocadas pelo coronavírus, mas o brasileiro médio não está nem aí. Mas também o bom exemplo não vem de cima. Ao ser indagado sobre a gravidade da situação, o Presidente veio com essa pérola: “E daí? Lamento. Quer que eu faça o que?” E concluiu com sua tradicional ironia fora de tempo: “Eu sou Messias, mas não faço milagre”. Não mesmo, mas bem que poderia conduzir a situação com mais tranquilidade e sabedoria.
Pesquisa Datafolha divulgada nesta quarta, 29, indica que vem crescendo o número de pessoas que defende a volta às atividades dos que não fazem parte do grupo de risco (pessoas com mais de 60 anos e/ou com comorbidades).
A verdade é que embora a situação seja caótica em algumas capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Fortaleza e recentemente Manaus, e mesmo assim, o apoio da população ao isolamento social (quarentena) vem caindo gradativamente.
A pesquisa apontou empate técnico na última sondagem, com 46% da população defendendo o fim do isolamento. Pela primeira vez desde o início da pandemia foi registrado empate técnico entre os que defendem a volta ao trabalho dos que estão fora dos grupos de risco e os que apoiam a permanência deles no isolamento. No início de abril esse percentual era de 37, depois passou para 41 no meio do mês e agora, para 46%.
Por outro lado, o que tem sido visto é um Presidente totalmente avesso aos cuidados preconizados pelos protocolos de combate ao Covi-19. Dando maus exemplos, não usando máscara, se juntando à aglomerações de simpatizantes, que também desrespeitam os protocolos. Isso induz, logicamente, a muitos se posicionarem contra o isolamento, além de ressaltar os traços tradicionais machista da nossa sociedade.
Até o presidente norte-americano Donald Trump álter ego de Bolsonaro já mandou um recado para o Brasil seguir os protocolos de combate à doença, ou os americanos fecharão os aeroportos para as aeronaves brasileiras.
As mulheres, por exemplo, se manifestaram totalmente a favor das medidas de isolamento, segundo a pesquisa, além de reprovar as atitudes do Presidente em relação aos descasos com as medidas protocolares. Para 60% mulheres entrevistadas, elas só saem de casa, quando é inevitável, enquanto 46% dos homens disseram sair de casa apenas quando necessário.

A pesquisa Datafolha ouviu 1.503 pessoas em todos os estados da federação, por telefone, em função do coronavírus, no início desta semana.

Postar um comentário

Que tal deixar um comentário?

Postagem Anterior Próxima Postagem